contribuições multidisciplinares...
comentar
publicado por MAV, em 18.11.08 às 21:32link do post | adicionar aos favoritos

Uma investigadora do Centro de Estudos Sociais (CES) da Universidade de Coimbra, Maria João Guia, estudou as relações entre imigração e criminalidade e concluiu que «os estrangeiros não são mais criminosos do que os portugueses». [link]

 


comentar
publicado por Wood, em 14.11.08 às 23:44link do post | adicionar aos favoritos

"De Alberto João, espera-se sempre o pior. E ele lá vai atingindo novos picos de boçalidade, de arruaça em arruaça. Agora, tentando retirar-se do atoleiro em que o PSD/M se enfiou, graças à reacção atabalhoada ao episódio da bandeira nazi, veio pedir ajuda à população para pôr na ordem quem ousa fazer ondas no seu reino: o «povo que vá tratando deles, enquanto eu vou trabalhando». Isto claro, enquanto vai explicando aos jornalistas que deviam ser como os do seu amado (e pago por todos nós) Jornal da Madeira: «Qualquer pessoa pode ser pateta, nos termos da lei. E são patetas nos termos da lei aqueles que cobrem tontices e palhaçadas». Do mundo do futebol, espera-se nos dias que correm alguma discrição, a busca de um prudente low profile, nestes dias de apitos às cores. Mas não: continua a medrar nos estádios uma casta de irresponsáveis que gostam de ter à mão bodes expiatórios para alancar com as culpas dos seus fracassos. E os árbitros são sempre as vítimas naturais. Tudo normal. Mas já é de todo inaceitável que alguém emita cretinices como «O Sporting é demasiado simpático para com as arbitragens. [...] Temos de criar mau ambiente no estádio, que é o que os árbitros merecem». Isto é brincar com coisa mais séria do que uns quantos pontapés na bola; é colocar em perigo a segurança de pessoas. Infelizmente, até o Presidente da República assobia para o lado e faz de conta que não vê o Mugabe da Madeira; mas espero que haja alguma entidade com cabeça e coragem suficientes para punir o outro arruaceiro: Paulo Bento."

In http://5dias.net/2008/11/14/dois-arruaceiros/#comments

 


comentar
publicado por Wood, em 14.11.08 às 12:50link do post | adicionar aos favoritos

"Não tenho mais paciência para suportar o quero posso e mando, a ideia que se pode ter toda a razão contra tudo e contra todos. Isto não é suportável, não é suportável por parte de um Governo apoiado pelo PS, que tem uma tradição e uma cultura democrática (...) chocou-me profundamente a sua inflexibilidade.(...) O Governo redefiniu a reforma da educação como uma prioridade estratégica. Mas como reformar a educação, sem ou contra os professores? Em meu entender, não é possível passar do laxismo anterior a um excesso de burocracia conjugada com facilitismo. Governar para as estatísticas não é reformar. A falta da exigência da Escola Pública põe a causa a igualdade de oportunidades. Por outro lado, todo se discute menos o essencial: os programas e os conteúdos do ensino."
- Manuel Alegre -


comentar
publicado por Wood, em 14.11.08 às 12:48link do post | adicionar aos favoritos

"O que é a Psicologia? É um campo de pesquisa por vezes definido como a ciência do espírito, outras como a ciência do comportamento. Interessa-se pelo como e pelo porquê do que os organismos fazem. (...) Os fenómenos que a psicologia considera no seu domínio abrangem uma extensão imensa. Alguns confinam com a biologia, outros fazem fronteira com as ciências sociais, como a antropologia e a sociologia". (GLEITMAN, H. et al. 2003: 1)


comentar
publicado por MAV, em 13.11.08 às 12:22link do post | adicionar aos favoritos

«Portugal surge em 26º lugar numa classificação dos sistemas de cuidados de saúde em 31 países europeus, divulgada em Bruxelas pela organização "Health Consumer Powerhouse", que sublinha o deficiente acesso aos tratamentos e tempo de espera.» [aqui]

Isto é que (também) nos devia realmente preocupar. Temos um quadro legislativo relativamente á saúde que é, e isto é aceite por muitos, dos melhores enquadramentos mundiais. Temos óptimos profissionais. Temos em muitos dos casos, as tecnologias mais avançadas.

Contudo, a aplicação prática é que causa problemas. O principal problema passa pela dificuldade de aceder aos serviços, ao elevado (e demasiado) tempo de espera que os "clientes" do Sistema Nacional de Saúde têm que enfrentar.

Ainda ontem soube duma situação de um idoso, com cerca de 70 anos e problemas cardiovasculares que, pese embora ter sido "carimbado" com a cor amarela, esperou mais de 4 horas para ser atendido. Entrou nas urgências ás 12 horas e chamaram-no depois da 16. Sem almoço... É um caso como muitos outros conhecidos.


comentar
publicado por MAV, em 13.11.08 às 12:10link do post | adicionar aos favoritos

Mais uma razão para a sua implementação?


comentar
publicado por Wood, em 12.11.08 às 23:22link do post | adicionar aos favoritos

"Eutanásia (do grego ευθανασία - ευ "bom", θάνατος "morte") é a prática pela qual se abrevia a vida de um enfermo incurável de maneira controlada e assistida por um especialista.
(...) Em primeiro lugar, é importante ressaltar que a eutanásia pode ser dividida em dois grupos: a "eutanásia activa" e a "eutanásia passiva". Embora existam duas “classificações” possíveis, a eutanásia em si consiste no acto de facultar a morte sem sofrimento a um indivíduo cujo estado de doença é crónico e, portanto, incurável, normalmente associado a um imenso sofrimento físico e psíquico.

A "eutanásia activa" conta com o traçado de acções que têm por objectivo pôr término à vida, na medida em que é planeada e negociada entre o doente e o profissional que vai levar e a termo o acto.

A "eutanásia passiva" por sua vez, não provoca deliberadamente a morte, no entanto, com o passar do tempo, conjuntamente com a interrupção de todos e quaisquer cuidados médicos, farmacológicos ou outros, o doente acaba por falecer. São cessadas todas e quaisquer acções que tenham por fim prolongar a vida. Não há por isso um acto que provoque a morte (tal como na eutanásia activa), mas também não há nenhum que a impeça (como na distanásia).

É relevante distinguir eutanásia de "suicídio assistido", na medida em que na primeira é uma terceira pessoa que executa, e no segundo é o próprio doente que provoca a sua morte, ainda que para isso disponha da ajuda de terceiros.

Etimologicamente, distanásia é o oposto de eutanásia. A distanásia defende que devem ser utilizadas todas as possibilidades para prolongar a vida de um ser humano, ainda que a cura não seja uma possibilidade e o sofrimento se torne demasiadamente penoso."
 in http://pt.wikipedia.org/wiki/Eutan%C3%A1sia


comentar
publicado por carlanela, em 12.11.08 às 21:36link do post | adicionar aos favoritos

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

"A eutanásia inclui sempre o acto de provocar a morte numa pessoa gravemente doente, no fim da sua vida, e a pedido desta. Os seus defensores dizem que é uma resposta a reservar apenas para situações excepcionais.
A eutanásia não é a recusa de tratamentos desproporcionados, ditos fúteis, e a eutanásia não é a suspensão desse tratamentos. Com efeito, a recusa ou suspensão de tratamentos desproporcionados é uma boa prática médica, já recomendada e aprovada recentemente em código deontológico." ...

 

"Só pode haver debate sobre um tema se houver conhecimento alargado sobre ele. Importa, pois, colocar toda a informação disponível ao serviço do público, com rigor e verdade, evitando abordagens sensasionalistas.."

 

Isabel Galriça Neto
Médica de Cuidados Paliativos;
Directora da Unidade de CP Hospital da Luz;
Assistente da Faculdade de Medicina de Lisboa
 

http://www.apcp.com.pt/index.php?sc=vis&id=353&cod=83

 

Como referi em comentario ao post Cuidados Paliativos: Apelo à conciencia e clarificação de conceitos. Falar do que se tem conhecimento é IMPORTANTE, por isso convido a ler conceitos e distingui-los http://www.apcp.com.pt/uploads/conceitos_gerais_morte_digna_e_eutanasia.pdf

 

No caso abaixo apresentado, parece-me que há alguma deturpação de mensagem: a criança nunca pediu para a "matarem" (eutanasia) mas sim, para a deixarem viver sem ter de fazer transplante (decisão terapeutica). NÃO COLOCAR TUDO NO MESMO SACO.

 

Se por ter 13 anos, deve decidir ou nao!? Nao sei responder... sei que independentemente da decisão...um direito lhe assite, que é Medicina Paliativa...

 


comentar
publicado por MAV, em 12.11.08 às 03:04link do post | adicionar aos favoritos

Não deixa de ser curioso que este blog, embora ainda sem a participação de muitos dos seus contribuidores... já vai seguindo o seu rumo (18 comentários para 5 posts...), colocando até autores contra autores, como aconteceu no post sobre os cuidados paliativos.

Quem me conhece, sabe que não poderia deixar de lançar umas achas para a fogueira, especialmente porque este é um assunto sobre o qual a sociedade vai debater nos próximos 5/7 anos.

Transcrevo parte duma notícia do Expresso:

«A história de uma menina britânica de 13 anos que pediu para "morrer com dignidade" está a comover a Inglaterra.

Hannah Jones conseguiu convencer os médicos do hospital Herefordshire Primary Care Trust de Hereford, no oeste da Inglaterra, onde está internada, a não substituir o seu coração por um novo contra a sua vontade.»


comentar
publicado por MAV, em 12.11.08 às 03:03link do post | adicionar aos favoritos

 «O Tribunal da Relação de Coimbra (TRC) revogou hoje a decisão do Tribunal de Torres Novas que remetia uma decisão final sobre a entrega da menor Esmeralda Porto ao pai para depois da apreciação de outros pedidos de regulação paternal. Luísa Calhaz, advogada do pai Baltazar Nunes, entende que, com esta decisão da Relação de Coimbra, a juíza do Tribunal de Torres Novas vai ter agora que "definir um prazo" para a entrega da menor ao progenitor.» [aqui]

Finalmente parece que este caso se começa a resolver. Finalmente...

Embora seja um caso que faz as pessoas pensarem mais com o coração do que com a razão, não posso deixar de aplaudir a decisão do TRC.

Quando aos meus motivos, pode lê-los aqui.

Categorias: ,

comentar
publicado por Wood, em 11.11.08 às 14:52link do post | adicionar aos favoritos
«A ministra [da Educação] é insuportável na arrogância do estilo.» (Marcelo Rebelo de Sousa, RTP1, 9.11.2008)

comentar
publicado por Wood, em 11.11.08 às 00:15link do post | adicionar aos favoritos

"Só vivemos num mundo o nosso. Mas há aventureiros que se arriscaram a sair dele, e que abordaram mundos que não estavam preparados para acolhê-lhos. A maioria deles aí se perderam e tiveram que procurar refúgio nos asilos que os habitantes dessas terras reservam aos expatriados. Mas também houve alguns, na verdade muito raros, que durante a sua viagem conservaram um espírito perfeitamente lúcido. Permaneceram acordados durante o sono; mantiveram os olhos abertos enquanto dormiam". Bernard Gröethuisen citado por E. Sampaio em Livros-Biografia, Público, 10 Nov. de 2001


comentar
publicado por carlanela, em 09.11.08 às 23:45link do post | adicionar aos favoritos

"Cuidados Paliativos são os cuidados activos e integrais prestados, por equipa multidisciplinar, aos doentes e sua família, em situação de doença avançada, incurável e progressiva e/ou com intenso sofrimento, com vista à redução e prevenção do mesmo. Procuram atender às necessidades físicas, psicológicas, sociais e espirituais e estendem-se ao suporte no luto."

(adaptado de Organização Mundial de Saúde OMS 2002 e do Programa Nacional de Cuidados Paliativos PNCP 2004).

Venho-vos falar de Cuidados paliativos pois penso ser um tema que deve entrar em discussão de uma forma activa, já que um estudo de opinião recente e pioneiro, de âmbito nacional, promovido pela Associação Portuguesa de Cuidados Paliativos, revelou que apenas 1/3 dos portugueses sabe o que são o que são os cuidados paliativos.

Que Impacto tem esta questão no social? Que conceito saberá o social?

   

 

 

 


comentar
publicado por MAV, em 06.11.08 às 16:38link do post | adicionar aos favoritos

 Avança o público online que:

«O relatório anual da evolução dos consumos de droga na União Europeia coloca Portugal como o país com o maior número de casos detectados de VIH-Sida entre os toxicodependentes.

As estimativas hoje anunciadas em Bruxelas por Wolfgang Goetz, director do Observatório Europeu das Drogas e da Toxicodependência (OEDT) apontam para a existência de cerca de 3 mil novos casos na União Europeia, em 2006, dos quais 703 foram notificados em Portugal.» [aqui].

 

Não podendo neste momento alongar-me sobre este assunto, não posso deixar de questionar sobre quando existirá coragem para implementar em Portugal as Salas de Consumo Vigiado, previstas legalmente deste 2001 e que tem apresentados óptimos resultados nesta e em outras áreas.


comentar
publicado por estadodosocial, em 06.11.08 às 00:05link do post | adicionar aos favoritos

Começa "aqui e agora" um novo blog. Um blog subordinado a uma ideia que tem tanto de concreto como de abrangente.

Concreta, porque aqui vai-se falar do social, da intervenção social, do Estado Social e do estado do social, em Portugal e no mundo.

Abrangente, porque é uma área que recebe contribuições e influências das mais variadas áreas. Neste momento, e tendo em conta as próximas aquisições, estão por aqui profissionais da área do trabalho social, serviço social, educação, economia, turismo, sociologia, psicologia. E não ficaremos por aqui...

Temos pessoas que trabalham na saúde, no poder local, quem se dedique ao ensino universitário, politécnico e à investigação. E mais virão...

Embora seja um blog colectivo, não temos nem teremos uma ideologia única. Não temos nem teremos uma aproximação política única. Não temos nem teremos uma perspectiva consensual face à intervenção social.

Teremos certamente, com maior ou menor grau de consenso, ideias, ideais, sugestões e opções, sendo o único aspecto totalmente consensual a necessidade dum debate constante sobre o que se faz e quer fazer na intervenção social...

 

E aqui será realizado...


pesquisar
 
A Nosso Lado...
Correio Electrónico oestadodosocial(at)gmail.com

Receba os Posts no seu E-mail clique aqui
Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
15

16
17
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


arquivo das contribuições
2008

subscrever feeds